Categoria: Cotidiano (Página 1 de 3)

Direito de Vagar – o que é?

Quando escrevi o post sobre o círculo de pedras que visitei em Aberdeenshire, mencionei um tal “direito de vagar”. Muita gente me pediu pra explicar melhor o que é isso. Posso ter passado a impressão que esse direito me autoriza a sair pulando cercas e invadindo propriedades privadas Escócia afora, mas a coisa não é bem assim.

O direito de vagar (em inglês: the freedom to roam), ou também chamado, em alguns países nórdicos, de “everyman’s right” , é o direito do público em geral a acesso a terras públicas ou privadas para recreação e exercício. Ele parte do pressuposto de que todas as pessoas têm o direito de desfrutar das belezas naturais do país, como por exemplo da vista do topo de uma montanha ou uma praia isolada. E se, para chegar até o topo dessa montanha ou até essa praia, a pessoa precisar passar por território privado, então ela tem esse direito, desde que siga as regras do Código e o faça com educação e bom senso.

Esse é um direito muito antigo no norte da Europa, e também existe em países como Finlândia, Islândia, Noruega, Suécia, Estônia, Letônia, Lituânia, etcs. Ele é mais ou menos restritivo dependendo das leis de cada local. Na Suécia, por ex, pode-se inclusive

Ler mais

Sendo mãe de criança pequena na Escócia – Parte 3: Com chuva ou com sol… é preciso brincar!

Considero Aberdeen uma cidade child friendly, boa para crianças. É calma, relativamente silenciosa e muito segura.

Aqui é fácil andar de carrinho pelas ruas e pelos meios de transporte, em especial nos ônibus, os quais oferecem um lugar especial para ficar com o carrinho aberto. Alguns táxis são carros grandes e também não é necessário desmontá-lo.

Se São Pedro está bem-humorado ao olhar para a Escócia, os parques são uma maravilhosa opção para os pequenos se perderem correndo e gastando energia, pois são bem cuidados, limpos e com grandes áreas verdes:

– O Seaton Park tem um jardim lindo e pode-se chegar nas margens do River Don;

Seaton Park

Ler mais

Guia de comportamento escocês para cada estação

Seguindo firme na minha missão de “escocesar” o mundo, eu hoje vou ensinar vocês a se comportarem como verdadeiros nativos dessas terras de clima nórdico maravilhoso.

As temperaturas médias da Escócia ficam em torno de 2 graus no inverno e 15 graus no verão. Ou seja, a variação, aqui, é menor durante o ano todo do que durante uma semana típica de outono em Florianópolis, por exemplo (ah, eu lembro bem! #traumas).

Brasileiros, nessas condições, sequer teriam “roupas de verão”. No máximo uma jaqueta mais leve para os meses mais quentes (mas que também, pra nós, são considerados frios). Então, meus amigos e amigas, não importa o mês que vocês venham para a Escócia, não tragam trajes tropicais porque vocês dificilmente terão a chance de tirá-los da mala.

Mas os escoceses gostam de se iludir e pensar que existe uma variação suficiente de temperatura para justificar o uso de “roupas de inverno” e “roupas de verão”.

Ler mais

Diário de um acampamento na Escócia

A primeira vez que acampei aqui na Escócia, foi no início de abril. O lugar era lindo, mas eu aprendi 2 importantes lições: 1. Não se acampa em abril; 2. Isolamento térmico é tudo na vida!

Embora durante o dia as temperaturas ficassem agradavelmente acima dos 10 graus (impossível não se animar), durante a noite elas despencavam. E eu quase congelei por falta de isolamento térmico. Joguei todas as cobertas e metade do meu saco de dormir pra cima do filhote, e fiquei enrolada na outra metade, sem conseguir dormir de tanto que tremia. O frio vinha do chão, parecia que eu estava deitada sobre um bloco de gelo. No dia seguinte, com chuva, voltamos pra casa.

Mas agora é verão (hahahaha, sempre rio quando escrevo essa palavra aqui!), ou seja, a melhor época do ano para acampar, certo?? Certo sim!!! Principalmente com um bom isolamento a tiracolo (item indispensável de acampamento na Escócia #1).

Ler mais

Sendo mãe de criança pequena na Escócia – Parte 2: Como planejar a alimentação de uma criança pequena em outro país?

Depois que eu saí de casa, com 26 anos, fui morar sozinha e assim fiquei por mais ou menos 10 anos. Eu achava chato cozinhar só para mim e também passava muito tempo no hospital, fazendo as minhas refeições por lá mesmo. Além do mais, não fui daquelas pessoas abençoadas com dotes culinários, embora eu adore ler sobre comida e experimentar novos sabores. Aliás, no meu doutorado avaliei o efeito de algumas intervenções dietéticas sobre a saúde cardiovascular, mais especificamente, do azeite de oliva e da noz pecã.

Bom, quando a Milena chegou, piscou meu sinal de alerta sobre o assunto. Contei com a ajuda da minha sogra e da tia do meu marido (que foi babá da Milena por nove meses), que tinham muita habilidade na cozinha, durante a introdução alimentar. Além de observá-las pilotando o fogão, peguei meu caderninho de receitas e fui anotando tudo, até como cozinhar a couve-flor (esse era o meu nível!). Mas quando me vi sozinha em Aberdeen, com um mundo de opções à minha frente, bloqueei. Sem contar que a Milena ficou rejeitando qualquer tipo de comida que eu oferecesse durante as primeiras duas semanas. Um pavor. Uma noite, depois que eu havia passado umas duas horas na cozinha preparando arroz, lentilha, um franguinho e cenoura cozida e ela não quis nada, fui chorar no quarto.

Buscando inspiração

Ler mais

Sendo mãe de criança pequena na Escócia – Parte 1: Como vestir uma criança no frio?

A pedido da Daniela Bohrer, que me conhece desde os 7 anos de idade, resolvi escrever esse post sobre maternidade. A Escócia me trouxe aprendizados especiais sobre ser mãe e me proporcionou muitas oportunidades para refletir sobre o assunto. Foi muito difícil parar de trabalhar, ficar com pouco dinheiro e enfrentar um inverno escuro e úmido, em outro país e sem nenhuma ajuda por perto, com uma criança de um ano de idade. Difícil mesmo. Antes de chegar, calculei que precisaria de três meses para nos adaptarmos, mas agora, um ano e meio depois, vejo que foram necessários mais do que doze. Bateu a solidão, a depressão e, posso dizer, alguns momentos de desespero.

Entretanto, recebi uma injeção de ânimo através de um precioso conselho.

Quando fazia aproximadamente um mês que estávamos em Aberdeen, em uma tarde, fui a um café organizado em um salão de uma igreja nas férias de inverno. Lá, fui acolhida por um simpático senhor

Ler mais

Entrevista para o Sassenachs BR

Tive uma conversa super legal com o pessoal da Sassenachs BR, sobre a Escócia e sobre Outlander, confiram no link: https://sassenachsbr.wordpress.com/2017/07/13/sassenachs-podcast-04-entrevista-com-a-outlander-anelise-kaminski/  

Ler mais

Saúde na Escócia: Como enfrentamos alguns problemas de saúde em Aberdeen

Uma das minhas maiores preocupações, que me gerava muita angústia ao mudarmos de país, era de como seríamos atendidos em caso de problemas de saúde. Essa questão se multiplicou por mil com uma criança de 1 ano de idade. Meu marido acha que eu exagero, penso sempre no pior. Concordo em parte, pois é verdade que como já presenciei muita coisa, casos muito graves, situações dramáticas e complexas, além de ter estudado, de uma maneira geral, doenças e suas complicações… sim, eu vejo o lado pior. Discordo do fato de achar que não se deve pensar nisso. O fato é que adoecemos, e algumas vezes de forma inevitável. Sofremos acidentes. Nosso corpo, em algum momento, padece. E nesse contexto de doença, o ser humano se enfraquece, se apequena, se fragiliza. Precisamos de ajuda. Nem sempre bolsa de água quente, chá e repouso resolvem. E não conhecer como essa ajuda a acontece pode ser desesperador.

Por exemplo,

Ler mais

Festa de aniversário infantil na Escócia

Meu artigo do mês para o Portal Brasileiras pelo Mundo, explicando como são as festinhas por aqui:

http://www.brasileiraspelomundo.com/escocia-festas-de-aniversario-infantis-na-escocia-481457527

Ler mais

Post Fitness: Como mantenho a forma na Escócia.

Uma das perguntas que eu nunca soube responder, sobre a vida na Escócia, é sobre opções de exercícios físicos. As pessoas querem saber se aqui existe academia, aula de zumba, natação, spinning, quanto custa, como funciona, etcs. Só que eu moro em um vilarejo de mil habitantes que não tem nem mercado, então sempre respondo, brincando, que minhas únicas opções, por aqui, são nadar no mar ou arremessar troncos, no melhor estilo Highlander Games.  Eu adoro nadar, mas guardo a minha coragem de entrar na água congelante para o Hogmanay. E arremessar troncos não faz bem o meu estilo.

Ler mais

Página 1 de 3

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén