Burns Night

Dia 25 de janeiro é uma data em que os escoceces aproveitam para manifestar toda a sua escocesidade inata e latente: Burns Night. Neste dia, comemora-se o aniversário do poeta Robert Burns, que é o grande bardo da nação.

Hoje é um dia em que se vê mais kilts pelas ruas do que de costume, mas o evento mais importante é a Burns Supper – um jantar tradicional que celebra a vida e a obra do Mr Burns.

Ops, figura errada… sorry!

Agora sim. Esse é o Mr. Burns correto. Não confundir.

Mas o que esperar se você estiver pela Escócia, e tiver a grande honra de ser convidado para uma Burns Supper?

Bom, de modo geral, espere muito whisky, comidas típicas escocesas nada saudáveis, whisky, pessoas recitando poemas do Burns, whisky, pessoas cantando músicas do Burn e um pouco de whisky. Ou seja, entrem na onda do whisky e sorriam que vai dar tudo certo. E – PELAMORDEDEOS – nunca, jamais, se atrevam a comparar o Burns com Shakespeare ou a mencionar qualquer poeta inglês… ainda mais depois do whisky…

 

O roteiro geral da noite é mais ou menos assim:

O iní­cio: “ Todos se reúnem, o anfitrião diz algumas palavras de boas vindas, todos se sentam e dizem a Selkirk Grace, uma espécie de prece tradicional para antes das refeições, em scot, que é um dos dialetos daqui em que todos os poemas do Burns foram escritos. Pra quem quiser treinar, ela é assim: (Tradução entre parênteses)

Some hae meat an canna eat, (Alguns tem carne e não podem comê-la)  And some wad eat that want it; (alguns não tem e a querem)   But we hae meat, and we can eat, (mas nós temos carne e podemos comê-la)  And sae the Lord be thankit. (E a Deus agradecemos)

A refeição: Primeiro, come-se uma entrada, como uma sopa escocesa de grãos (scottish broath), por exemplo, tranquilamente. Depois, chega a hora do Haggis. Pra quem nunca ouviu falar desse prato, ele é basicamente uma mistura de fígado, coração e pulmão de ovelha triturados e cozidos com sangue, aveia e temperos dentro do estômago da dita ovelha – ou de outra, porque acho que eles não se preocupam muito com o pertencimento do estômago… Enfim, a receita pode ter pequenas variações, mas é basicamente isso.

Haggis sendo cortado.

Todos se levantam para esperar essa iguaria e, se quiserem fazer a coisa do jeito beeeem certo mesmo, tem que ter um gaiteiro tocando gaita de foles à frente do haggis, liderando o caminho até a mesa:

Quando ele é trazido à mesa, todos se levantam, alguém recita o poema de Burns chamado Address to a Haggis. (Sim, o Haggis tem um poema só pra ele. E um gaiteiro só pra ele. E todos se levantam quando ele chega. O Haggis tem mais honrarias e poder do que nós jamais teremos….) Depois todos brindam ao Haggis, e aí podem se sentar para comer. Sempre com muito respeito pelo Haggis, claro.

Depois da refeição: Começa o festival de recitais de poemas. O primeiro, e principal, é o Immortal Memory. Depois podem se seguir outros, mas o Toast to the Lassies e o Reply to the Toast to the Lassies não podem faltar.  Esta parte se prolonga pelo tempo que quiserem, quanto maior a empolgação, mais poemas!! Todos do Burns, of course!

O final:  Depois dos poemas, o anfitrião agradece e todos se levantam e cantam juntos a Auld Lang Syne, de mãos dadas (sim, a mesma música típica do Ano Novo):

(AMO ESSA MÚSICA!!! ❤️)

Enfim, muita emoção nesta hora, todo mundo se considera pra caramba e somos todos uma grande família que se ama.

Pronto, acabou. Agora você pode voltar feliz e cambaleante para casa, sonhar com um grande Haggis bêbado entoando poemas e aguardar o próximo ano e a próxima Burns Night.

A receita, para os fortes de estômago interessados.

Anteriores

Fireballs em Stonehaven – celebrando o fim do ano na Escócia

Próximo

The Bicycle Tree

  1. Existe a versão vegetariana do haggis também. É bastante saboroso e facilmente encontrada. Para quem quiser ter uma experiência prévia e mais simples, essa época os supermercados vendem um pack para o Burns night, contendo haggis, tatties e nippes. Vale a pena provar!

    • Anelise

      Oi Caroline! Sim, verdade, existem várias versões vegetarianas, ainda bem para mim, que não consigo encarar o original!

    • Luiz Carlos Cordeiro Filho

      O que são Tatties e Nippes

  2. Helen

    Amei a entrada triunfal do prato idolatrado! Esse povo é maravilhoso! Como amo!

  3. Rafaela

    Eca… deve ser quase uma morcilha daqui…. linguiça de sangue…. Não curti o tal haggis

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén