O Castelo de Edimburgo e a Pedra do Destino

Vir para a Escócia e não visitar o Castelo de Edimburgo, é como não vir. Ele é o castelo mais visitado do país, e um dos mais antigos também. As edificações datam do século XII, mas escavações comprovaram recentemente que já existiam ocupações diversas no local desde a Idade do Bronze.

Castelo de Edimburgo, visto do Princes Gardens.

O castelo fica no topo de um vulcão extinto, com vista para toda a cidade e além.

A entrada é guardada pelas estátuas de William Wallace e Robert the Bruce, os dois maiores heróis nacionais.

 

Eu já expliquei aqui neste post que Robert the Bruce, ao contrário do que Mel Gibson nos fez acreditar, é gente boa.

Tente programar a visita para estar no castelo à 1 da tarde, quando ocorre o tiro de canhão. Acontece todos os dias, menos aos domingos. O tiro ocorria para ajudar os navios que passavam pelo canal a acertarem seus relógios.

A parte mais antiga do Castelo é a Capela de St Margareth, que foi construída em 1130. Está super preservada e ainda é usada para batizados e casamentos.

O Palácio Real fica dentro do castelo, e é possível passear por alguns cômodos, inclusive o quarto onde a Mary Stuart (vulgo Mary Queen of Scots Diva Absoluta) deu à luz ao seu filho James, que mais tarde de tornou rei da Escócia e da Inglaterra (já que Elizabeth I morreu sem filhos).

Exposição sobre a vida de Mary.

Vídeo desta parte do palácio:

Ao lado do Palácio, fica o Grande Salão (the Great Hall), onde antigamente ocorriam bailes e jantares e hoje estão várias armas e armaduras expostas:

Também estão no castelo o Museu Regimental, o Memorial Nacional de Guerra e, claro, prisões:

O Castelo tem muitas outras partes e vários detalhes interessantes para serem observados, como uma suástica escondida, um cemitério de cachorros e o poço das bruxas  (uma homenagem póstuma a todas as pobres mulheres que foram queimadas como bruxas ali).

Mas a parte que eu estou doida pra contar pra vocês é a das Jóias da Coroa:

Dentro de uma sala-cofre, estão expostas estas jóias, que são usadas na coroação de reis: a coroa, o cetro, a espada e….. a PEDRA DO DESTINO!! (em maiúsculas porque eu me empolgo mesmo com essas coisas lendárias daqui) 😍

Essa pedra, aí no meio, é o objeto mais precioso de toda a Escócia. Ninguém sabe ao certo a origem dela, mas tudo indica que veio da Irlanda, junto com os imigrantes celtas. Eles acreditavam que ela era especial ou mágica ou possuía algum tipo de poder, porque coroavam todos os seus reis ajoelhados nela, ou com ela perto de alguma forma. Desde que se tem registros, todos os reis da Escócia foram coroados junto à Pedra do Destino. E quando as coroas da Inglaterra e da Escócia se uniram, os reis ingleses também passaram a ser coroados com ela. Foi uma forma de legitimizar o poder dos reis, pois os escoceses não reconheceriam um rei que não fosse coroado com a pedra. Desde o século XIII, ela é simbolicamente colocada embaixo do trono da coroação:

Reparem na pedra ali no trono, logo abaixo do assento.

Depois da Unificação, ela foi levada para Londres, e guardada na Abadia de Westminster. Em 1950, estudantes escoceses roubaram a pedra e a trouxeram de volta para a Escócia. Os ingleses conseguiram recuperá-la a tempo para a coroação da rainha Elizabeth II, em 1953.

Rainha Elizabeth II sendo coroada no trono que contém a Pedra do Destino.

Há quem diga que a Pedra foi trocada por uma réplica durante esse roubo. A verdadeira Pedra do Destino estaria escondida em algum lugar remoto da Escócia (que é quase toda remota, na verdade), e Liz II teria sido coroada sobre uma imitação barata da mesma. Claro que isso dá margem para muitas conspirações nacionalistas….

Em 1996, os escoceses bateram o pé e a Pedra voltou de vez para a Escócia, e agora está ali, no Castelo de Edimburgo, junto com as jóias.

Milhares de turistas passam toda semana por ela e não dão nem tchuns. Eu sei porque, quando vou, eu reparo na reação das pessoas. Alguns leem a plaquinha que diz que é a Pedra do Destino, mas não conseguem ter noção da antiguidade e da importância da coisa toda. Mas eles não leem o meu blog! Já vocês, queridos leitores e leitoras, sabem mais agora, e quando vierem visitar o Castelo de Edimburgo, vão olhar essa pedra esquisita com outros olhos. 😉

PS: E por falar em olhos, fiquem de olho também em fantasmas. O Castelo é considerado um dos locais mais mal-assombrados do mundo, e tem diversos relatos  de aparições. Muitas em fotos de turistas, como essa que até saiu nos jornais locais:

BOO!!!

 

Anteriores

Casa do John Knox

Próximo

Falkirk Wheel: o único elevador rotatório de barcos do mundo.

10 Comentários

  1. Renata

    Vou procurar nas fotos se saiu alguma coisa estranha no castelo, porque no cemitério saiu, rsss

  2. Juliana Gimenez

    Que legal 🙂

  3. Ana Luiza Costa

    Vou para Escócia em julho, então já sabe q serei leitora frequente no seu blog. Adorei a história da pedra, lendária. Agora n tem como ela passar despercebida pelos meus olhos. Obg!

    • Anelise

      Oi Ana Luiza, obrigada por ler! As coisas ficam mais interessantes quando a gente conhece as histórias que elas carregam, essa era minha intenção, que bom que você gostou. Até julho ainda vou postar muita coisa, espero que ajudem a enriquecer a tua viagem.

  4. Natalie Coppini

    Ahhhhh eu devia ter lido esse texto antes!!! Vi a pedra e realmente eu olharia com outros olhos agora que sei a história!!! Preciso voltar!!!!

    • Anelise

      Ahá!! Tá vendo como é extremamente importante ler o meu blog?? Rs!!! Mas na próxima, com certeza, a pedra vai ser muito mais interessante!! 😉 Beijos!

  5. Natália

    Estou indo pra Edimburgo pela segunda vez e ainda bem que passei pelo seu blog antes… Confesso que entrei no castelo da outra vez e realmente não dei a mínima para a pedra…. agora vou prestar atenção e aproveitar pra ensinar meu namorado!!!!
    Parabéns pelo blog!!!
    Beijos

    • Anelise

      Oi Natália!! Que bom que ajudei a deixar as coisas mais interessantes por aqui. Aproveitem bem o passeio!!
      Beijos!!

Deixe uma resposta

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén